sexta-feira, julho 08, 2016

O dilema dos conjuntos habitacionais de Conquista


Por Ivan Cordeiro

Local freqüente de homicídios, os conjuntos habitacionais estão se constituindo em espaços desintegrados do restante da cidade, onde a violência cresce sem limites. Mais um adolescente, de apenas 16 anos, foi assassinado ontem (7), no Conjunto do Vila Elisa. Desassistidos, os moradores sofrem com a ausência de políticas publicas e o conseqüente aumento da criminalidade. 

A administração municipal faz vista grossa para as necessidades básicas: falta creche, falta ensino de qualidade, falta posto de saúde - não só para atender os conjuntos habitacionais, mas também para a população original do bairro, carente há décadas. A luta por melhores espaços de moradia deve ser pauta prioritária de todo gestor público. Precisamos voltar nossa atenção para a administração dos conjuntos habitacionais e pensar coletivamente no bem-estar da comunidade.
-

terça-feira, julho 05, 2016

O PT perdeu o vice


O PT sempre teve a facilidade de escolher algum vice dentre os diversos partidos da Frente Conquista Popular. Hoje, a frente deixou de ser frente, pois, o pré-candidato a prefeito já não empolga mais, devido ao cansaço da mesmice e da falta de renovação, assim como, deixou de ser popular, pois, perdeu a confiança do povo.  

O PT começa a sentir o amargo da derrota e do isolamento. Pra começar, perdeu o PCdoB, perdeu o PTB, perdeu o PV, e, por último, perdeu o PSB. Além disso, apostava que o atual vice de Guilherme, Joás Meira, poderia ser, também, o vice de Zé Raimundo. Eis que o PSB lança Joás como pré-candidato a prefeito. 

Pelo visto, a luz do PT está se apagando em Conquista.
-

segunda-feira, julho 04, 2016

O sistema desintegrado de Conquista


O sistema integrado de ônibus de Vitória da Conquista desintegra mais do que integra. A falta de um bom planejamento tornou o sistema uma verdadeira piada de mau gosto para a população.

Quem usa o transporte público em Conquista, conhece muito bem as grandes dificuldades em fazer a tal integração prometida pela prefeitura.
-

DEM e PMDB juntos resolveriam alguns problemas da oposição conquistense


Pra resolver alguns problemas da oposição conquistense, seria interessante uma coligação na proporcional entre o PMDB e DEM. Poderiam ser eleitos, além de Lúcia Rocha e Álvaro Pithon (DEM), mais alguns do PMDB.

Essa chapa colocaria panos quentes nos últimos acontecimentos que têm deixado os partidos numa relação pouca amistosa. Além de resolver o problema do isolamento de Álvaro e Lúcia.
-

quinta-feira, junho 30, 2016

Não é uma simples quadra poliesportiva

A prefeitura de Conquista informa que está construindo
uma quadra que não existe no Pradoso
Por Ivan Cordeiro

Ontem foi uma barragem, hoje é uma quadra poliesportiva, amanhã pode ser um hospital, uma creche, uma escola. A vida não pode ser uma continuidade efêmera. Os traços da não-humanidade estão em todos os cantos, as pessoas não querem apenas uma mera existência, elas buscam por dignidade. Nada mais compreensível do que respeitar o ser humano em suas necessidades.

O ser humano extrapola os limites de sua própria realidade. O que significa as necessidades básicas de uma pessoa diante da complexidade da vida humana? A tensão existe em todo momento. Não é simplesmente beber, comer e se vestir. É muito mais do que isso. É reverência. É não negociar a necessidade do outro. É não manipular o desprovido. A promessa não provoca mais ou menos compromisso. A promessa provoca revolta.

As pessoas estão cansadas de serem enganadas. Na fila do hospital, no posto de saúde, na espera do ponto de ônibus. Existe um caminho em que o dinheiro é desviado, em que os políticos são corrompidos. Tem gente que vive em caminhos estreitos, se perdendo de si mesmo e roubando do outro, o sonho, a esperança, e a fé.

A expectativa da lista de espera da casa que nunca chega, do asfalto que nunca vem, da água que nunca cai na torneira, da luz que sempre permaneceu apagada na escuridão da noite. A vida teima em se repetir numa continuidade efêmera. Todavia, é preciso continuar acreditando em dias melhores, mesmo quando todos os prognósticos parecem desfavoráveis. 
-

quarta-feira, junho 29, 2016

Uma cidade para todos


Por Ivan Cordeiro

Precisamos construir uma cidade mais inclusiva. Pensar em cidade inclusiva é pensar na cidade como lugar de encontro. A cidade pode ser este lugar.  Nesse sentido, o gestor público deve trabalhar para tornar viável a vida na cidade. Não podemos parar diante do crescimento acelerado da população e dos diversos problemas que este crescimento ocasiona para a cidade.

Vitória da Conquista é uma cidade bonita e aconchegante, todavia, devemos garantir uma sustentabilidade social. O espaço urbano deve ser convidativo, confortável e seguro. O medo da violência não pode aprisionar as pessoas dentro de suas casas. A cidade precisa ser atrativa de maneira plena, desde o terminal de ônibus até o mercado municipal, passando pela biblioteca e praças.

Uma cidade para todos é possível, não pode faltar respeito entre as pessoas e um profundo entusiasmo pela vida. A cidade como lugar de encontro é a forma mais adequada para a redução do preconceito. Pessoas convivendo no mesmo espaço público podem construir relacionamentos saudáveis e respeitosos. 
-

A Conquista da propaganda


A prefeitura de Vitória da Conquista apelou para o marketing e fez um vídeo para mostrar uma cidade que não existe na realidade. Nós queremos sim uma cidade dinâmica, desenvolvida, que tenha água nas torneiras, que tenha segurança para todos, mas, não podemos viver na propaganda do PT. Queremos uma cidade real e melhor para todos. 

Com trabalho, dedicação, a gente constrói uma cidade melhor para se viver. A prefeitura deveria trabalhar mais e fazer menos propaganda, pois, o trabalho realizado já é por si só a maior divulgação que um prefeito pode ter ao seu favor. 

terça-feira, junho 28, 2016

Um novo tempo para a política

Por Ivan Cordeiro

"Sonho com uma política a ser feita por aqueles que nada desejam ganhar, a não ser a alegria de contribuir para diminuir o sofrimento do povo". (Rubem Alves)
-
Toda essa crise política que o Brasil está vivenciando deveria servir para causar uma 'parada obrigatória' com a finalidade de repensarmos o país, repensarmos o modelo político que queremos. Não podemos continuar reféns de uma corrupção avassaladora. Não podemos aceitar a corrupção como detentora dos destinos da nação.

Rubem Alves também escreve que a "esperança da política virá dos que não são políticos profissionais". É preciso encarar a política como vocação. A política é um serviço nobre, é uma ferramenta pela qual a gente muda a vida de muitas pessoas. Quem enxerga a política como profissão só quer ganhar dinheiro e privilégios.

Chegou a hora de fazermos política com uma nova mentalidade e com novos atores. Até porque, não se coloca vinho novo em odres velhos.
-

terça-feira, junho 21, 2016

A vida é feita de recipro-cidade

Por Ivan Cordeiro

Cultivar bons relacionamentos e estabelecer vínculos de confiança são ingredientes essenciais para uma vida saudável. Quem se tranca em seu próprio mundo dificilmente encontrará afeto quando precisar. A vida é feita de recipro-cidade. A lógica é simples, quem cuida, também é cuidado. A cidade também é o lugar da retribuição, da troca de afetos. 

Aquele velho ditado, “não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você”, continua valendo. A gente deveria se preocupar em construir mais laços afetivos, em potencializar o que o outro tem de bom. A vida assim é mais leve e melhor para se viver. 

Câmara de Vereadores vai discutir a falta de água em Conquista


Amanhã (22), na Câmara Municipal, acontecerá uma sessão especial para discutir a crise hídrica que vem atingindo o Município de Vitória da Conquista. A falta de chuva, mais a falta de gestão, têm contribuído para a maior crise no abastecimento de água em Conquista. A população, além de economizar água, deve cobrar do poder público uma nova barragem para a nossa cidade. 
O site da Câmara informa que "desde o dia 23 de maio, os conquistenses tiveram que voltar a conviver com o racionamento de água. Agora, de acordo com calendário definido pela Embasa, a água chega nas residências três dias sim, três dias não. Além do consumo reduzido de água, outro reflexo da seca está na produção agrícola. A diminuição das chuvas na última temporada também provocou mudanças no ritmo da produção irrigada".
_